fbpx

A construção civil já viveu seu ápice no cenário brasileiros. Entre a década de 2000 e o início da década de 2010, o setor apresentou um “boom” que fez com que a carreira de engenheiro civil parecesse promissora para muitos jovens que estavam ingressando no ensino superior.

Contudo, a crise político-econômica que se instaurou nos próximos anos refletiu em uma forte recessão da área que resultou em queda no número de empreendimentos e milhares de demissões em todo o Brasil. Somente de janeiro de 2015 a janeiro de 2017, o número de demissões superou em 48.000 o número de admissões de engenheiros de todas as áreas no país.

A boa notícia é que o mercado da construção civil está voltando a ficar reaquecido e apresentar índices positivos de crescimento. Mas para garantir uma carreira promissora na área, os profissionais devem acompanhar as novas mudanças e tendências do setor para manterem-se atualizados frente às necessidades do mercado.

Quais as previsões do setor para os próximos anos?

Desde o final de 2017, o setor de construção tem demonstrado um crescimento animador para os engenheiros civis. Em 2018, o Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 2,9 pontos e alcançou a segunda maior marca desde janeiro de 2015. E para os próximos anos, as previsões são ainda mais otimistas. 

Muitos especialistas apontam que 2020 será o ano da retomada da construção civil no Brasil. Não trata-se de um boom imobiliário como presenciamos há alguns anos, mas de uma retomada lenta e gradativa que aponta para um cenário em que empreendimento sejam construídos e vendidos com mais facilidade, ou seja, haverá um mercado em constante atividade.

Uma das grandes explicações para a retomada do setor se deve, sobretudo, à baixa de juros e ao cenário econômico mais favorável, o que favorece a compra de imóveis por parte da população em geral. Além disso, o crescimento do PIB também irá influenciar o crescimento da construção civil. 

Segundo um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Produto Interno Bruto do país deve crescer de 2,4% anualmente, no período 2017-2025, enquanto que o crescimento da construção civil será de cerca de 3,7%. Outro dado da FGV aponta que, apesar de haver crescimento nos mercado imobiliário, o volume de obras de infraestrutura poderá sobrepor-se ao de empreendimentos imobiliários.

O que o mercado espera do engenheiro civil do futuro?

Assim como os demais setores do mercado, a construção civil também apresenta mudanças que devem ser acompanhadas pelos profissionais da área. Um estudante que ingressou na universidade agora poderá se deparar com novos desafios ao se formar e entrar para o mercado de trabalho.

Da mesma forma, um profissional que já atua na área também precisa se preparar e buscar atualização para manter-se competitivo no mercado, afinal o conhecimento técnico adquirido no curso superior nem sempre é suficiente para conseguir uma boa vaga de emprego e destacar-se no mercado de trabalho.

Para te ajudar nessa missão, apontamos os principais pontos que o mercado exigirá de um engenheiro civil nos próximos 5 anos. Confira!

Excelente qualificação técnica e teórica

O aumento no nível de exigência da qualificação técnica e teórica é uma das tendências do mercado de construção civil para os próximos anos. O profissional que atua ou irá atuar na área deve buscar se qualificar ao máximo, o que exige a realização de cursos especializados, pós-graduação, MBA, dentre outros. Uma boa dica é procurar maneiras de se especializar no segmento da construção civil que você deseja atuar.

Habilidades sociocomportamentais 

Para além das habilidades técnicas, o mercado também está exigindo cada vez mais o desenvolvimento de habilidades sociocomportamentais no profissional de engenharia civil. Ter uma boa comunicação, saber trabalhar em equipe, possuir capacidade de liderança e resolver problemas com agilidade, por exemplo, são características muito buscadas por empresas do segmento. Candidatos que possuem tais habilidades tendem a ser mais produtivos e apresentarem melhores resultados, o que justifica a procura das empresas por esses perfis. 

Utilização de novas tecnologias

A utilização de novas tecnologias é uma prática crescente no setor da construção civil, afinal trazem diversas vantagens, como redução de custos, automatização de processos, etc. Portanto, o engenheiro civil dos próximos anos deve estar apto para utilizar ferramentas tecnológicas em seus processos de trabalho. O domínio sobre a realidade aumentada, utilização de aplicativos e softwares de gestão, por exemplo, garante que o profissional se destaque com mais facilidade no mercado.

Engenharia sustentável

A sustentabilidade já é uma prática que está em alta na construção civil e deve crescer ainda mais nos próximos anos. Assim, o engenheiro civil deve desenvolver habilidades, competências e conhecimentos que permitam elaborar projetos baseados no conceito de sustentabilidade, sempre buscando a utilização de recursos naturais de maneira ética e consciente. 

Construções inteligentes

Muito além de levantar uma estrutura, o engenheiro civil do futuro precisa possuir a capacidade de desenvolver projetos inteligentes que sejam capazes de trazer benefícios para o dia a dia dos moradores e melhorar a relação entre a sociedade e o ambiente em que ela vive. Automatização de tarefas, otimização de espaço, utilização de dispositivos tecnológicos e aproveitamento dos recursos naturais são alguns dos fatores que irão fazer a diferença em empreendimentos dos próximos anos.

Quer saber mais sobre o mercado da engenharia civil? Acompanhe nossos conteúdos no blog e fique por dentro de assuntos relevantes sobre a área!